Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


GP da China, 14 de Abril de 2013

por Tiago Crispim, em 14.04.13

Para este GP da China Lewis Hamilton conquistou a pole. Esta foi, no ano passado, a corrida onde Nico Rosberg conseguiu a primeira vitória da marca alemã. Atrás do Mercedes partiu Kimi Raikkonen, seguido de Fernando Alonso e Rosberg. A fechar os dez primeiros estavam Massa, Grosjean, Ricciardo, Button, Vettel e Hulkenberg.

 

Os Red Bull fizeram uma má qualificação, com Vettel a não conseguir melhor que o nono lugar, e Webber a sair em 14º, mas da linha das boxes.

 

Os primeiros sete na grelha optaram pelos Pirelli macios, e Button pelos médios.

 

A vista do "Centro de Hospitalidade" da McLaren

 

Na partida Hamilton manteve a liderança, seguido de Alonso, Massa e Raikkonen. Webber foi às boxes logo na segunda volta, trocando dos macios para os médios.

 

Na quarta volta Alonso começou a pressionar Hamilton na frente e uma volta depois, os dois Ferrari passam o Mercedes na reta da meta. Hamilton sem pedalada para aguentar o primeiro lugar, salta depois para quarto, quando Raikkonen o ultrapassa. Logo depois trocou para os médios, tal como o seu companheiro de equipa.

 

Na repetição vimos que Esteban Gutiérrez calculou mal a travagem e acabou em cima de Adrian Sutil, tirando os dois carros da corrida.

 

 

A roda de Webber a soltar-se do Red Bull

 

Na décima volta, apenas os pilotos que começaram com os médios ainda não tinham passado pela boxe.

 

Com as mudanças de pneus, Vettel viu-se em primeiro lugar, e a Red Bull fez um bom trabalho na troca, mantendo o lugar à frente de Hulkenberg, que seguia em segundo, e ainda por cima sofreu na troca de pneus com um problema na roda traseira direita.

 

Mark Webber toca em Jean-Eric Vergne e tem de trocar nariz e pneus no Red Bull, e Raikkonen toca na traseira de Pérez, tudo na volta 16. O Lotus teve alguns danos na frente mas não abandonou, Pérez também ficou em pista.

 

O australiano da Red Bull começou a andar lentamente para as boxes mas uma das rodas do carro soltou-se e deu por terminada a corrida de Webber.

 

O ar desanimado de Webber depois de abandonar

 

Nico Rosberg teve mais uma corrida azarada. O alemão parou quatro vezes, a terceira das quais com um furo, duas voltas depois da terceira paragem. Na quarta saiu do carro e abandonou.

 

Com tantos abandonos e trocas de pneus, na volta 33 era o Ferrari de Alonso que liderava, seguido de Hamilton, Raikkonen, Button, Vettel, Hulkenberg, Massa, Ricciardo, Grosjean e Vergne a fechar os dez primeiros. Di Resta era 11º, seguido de Bottas, Pérez, Maldonado, Pic, Bianchi, Chilton e Van Der Garde. Rosberg, Webber, Sutil e Gutiérrez estavam de fora.

 

Os pneus médios da Pirelli têm uma grande diferença de velocidade, em comparação com os macios, mas tendo mais durabilidade, acabam por compensar neste circuito de Shanghai. Na volta 37, Button era o único piloto com apenas uma paragem, sendo que oito pilotos tinham parado duas vezes e nove três vezes.

 

A segunda paragem de Button, com seis voltas para o final

 

Na volta 41 os comissários anunciaram que Vettel, Webber, Raikkonen, Bottas, Ricciardo, Chilton, Button e Grosjean vão ser investigados por usar o DRS com bandeiras amarelas.

 

Alonso teve de parar, possivelmente pela última vez, na volta 42. Vettel tomou a liderança mas tinha ainda de usar os pneus macios. Logo atrás, Button Raikkonen e Hamilton tentavam o terceiro lugar. Entre o inglês da McLaren e o finlandês da Lotus estavam menos de dois segundos, e entre Raikkonen e Hamilton 0,7.

 

 

 Alonso a festejar a vitória

 

Com a vitória da Alonso praticamente garantida, a questão prendia-se com o segundo e terceiro lugares, se bem que Vettel levava quase cinco segundos de vantagem em relação ao terceiro colocado.

 

Button ainda com uma paragem não conseguiu oferecer resistência a Raikkonen e Hamilton.

 

Button trocou para os macios com cinco voltas para o final e caiu para sétimo. Passou Massa na reta da meta, mostrando a diferença de andamento com pneus novos. Vettel parou no fim da volta 52 e saiu em quarto.

 

Na última volta Vettel colou-se à traseira de Hamilton, pressionando o inglês, que vai travando no limite. Apesar do desgaste dos pneus macios, com mais uma volta Vettel tinha passado o Mercedes.  “Ainda não estamos lá, mas falta pouco”, foi o que disse Ross Brawn a Hamilton no final.

 

Os três primeiros antes de subir ao pódio

 

Apesar desta decisão final, Alonso venceu a corrida, seguido de Raikkonen e Hamilton. Vettel terminou em quarto, seguido de Button, Massa, Ricciardo, Di Resta, Grosjean e Hulkenberg. Fora dos pontos ficaram Pérez, Vergne, Bottas, Maldonado, Bianchi, Pic, Chilton e Van Der Garde. Não terminaram Rosberg, Webber, Sutil e Gutiérrez.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:08

Resumo do GP da China

por Tiago Crispim, em 15.04.12

Partimos para este GP da China com várias surpresas na grelha de partida. Nico Rosberg fez a sua primeira pole na F1 e Schumacher parte ao lado do companheiro de equipa. É a primeira linha da Mercedes desde 1955. Kamui Kobayashi levou o Sauber ao terceiro lugar da grelha, depois de, na corrida passada, Sérgio Pérez ter terminado em segundo. A partida completa-se com Raikkonen, Button, Webber, Hamilton (penalizado em cinco lugares por ter trocado de caixa de velocidades nos primeiros treinos livres), Pérez, Alonso e Grosjean, a fechar os dez primeiros. Vettel sai de 12º, não tendo passado para a Q3.

 

No arranque, Rosberg manteve o primeiro lugar mas Kobayashi caiu imediatamente para sexto. Vettel também desceu de posição, para 14º, ultrapassado por Senna e Di Resta.

 

O primeiro a parar foi Mark Webber, na sétima volta. Trocou para pneus médios. Para o resto do pelotão começar a trocar, foi preciso esperar mais três voltas. A maioria dos pilotos partiu com pneus macios e trocou para pneus médios. À saída das boxes Hamilton e Raikkonen tiveram uma breve luta por posições. Mark Webber foi apanhado na refrega, quando o inglês e o finlandês encontraram o australiano.

 

 

 Fernando Alonso a equipar-se para entrar no Ferrari

 

Michael Schumacher foi o primeiro desistente; disse na rádio que ia perder uma roda e estava fora da corrida. O mecânico responsável pela roda direita dianteira foi visto a gesticular, para o carro não sair.

 

Entretanto Nico Rosberg, que tinha já trocado de pneus, voltava a assumir o comando, tirando de lá Felipe Massa, que ainda não tinha parado na 18ª volta. Lá mais atrás, Sebastian Vettel  conseguia chegar aos lugares pontuáveis pela primeira vez na corrida.

 

Na 22ª volta Webber foi novamente o primeiro a parar para trocar o jogo de pneus, mas desta vez o resto dos pilotos demorou mais tempo para o seguir. A segunda troca foi feita por todos até à volta 30.  Nessa mesma volta Heikki Kovalainen parou com um problema no pneu traseiro direito.

 

Nesta altura as lutas no meio do pelotão sucediam-se, com várias ultrapassagens.  Pérez defendia-se e bem de Hamilton, e a Sauber pedia ao  mexicano para aguentar mais umas voltas com os pneus que tinha.

 

 

 Foto artística da Lotus

 

Mark Webber conseguiu levantar as duas rodas da frente ao subir um corretor. Seguia em 11º. Button, que estava a fazer uma corrida excelente, teve um problema no pneu esquerdo. À sua frente estava Vettel, que recuperara da sua má posição de início de partida.

 

Até ao final da corrida as posições não se alteraram muito mas houve boas lutas, entre Raikkonen e Vettel e Webb e Hamilton. Button teve um problema na última paragem e caiu para sexto, mas conseguiu voltar a subir na classificação.

 

A McLaren conseguiu recuperar bem e levar os seus dois carros ao pódio, mas claro que o mérito vai todo para Nico Rosberg, que na China, alcança a sua primeira vitória na Fórmula 1. Três motores Mercedes nos três primeiros lugares.

 

 A celebração de Nico Rosberg e Norbert Haug

 

Rosberg, com um Mercedes termina assim em primeiro, seguido dos dois McLaren, Button e Hamilton; em quarto Webber, o primeiro Red Bull, seguido de Vettel. Grosjean foi sexto, na primeira corrida que terminou, e Senna termina nos pontos com um Williams, seguido do companheiro de equipa Maldonado. Fernando Alonso em nono é o primeiro dos Ferrari, um final desapontante depois de uma corrida razoável. Em décimo Kobayashi, que podia ter ficado em melhor lugar (e mesmo assim fez a volta mais rápida). Fora dos pontos ficou Pérez, por pouco, Paul Di Resta, Filipe Massa e Kimi Raikkonen, que depois de lutar pelos lugares cimeiros viu os pneus desistirem de si. Em 15º ficou Hulkenberg, seguido de Vergne e Ricciardo nos Toro Rosso, depois Petrov, Glock, Pic, De La Rosa e Karthikeyan.

 

 Em último ficou Heikki Kovalainen, que apesar do problema no pneu durante a corrida não abandonou. O único que o fez, e com pena, porque podia ter feito um bom resultado, foi Michael Schumacher.

 

Foram precisas 110 corridas para Rosberg vencer um GP. Na conferência de imprensa seguida à corrida, o alemão declarou que “não esperava ser tão rápido hoje”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:59

Programa de dia 20-04-2011

por Tiago Crispim, em 20.04.11

Esta semana um bocadinho atrasado e muito constipado, faço a análise ao espectacular GP da China.

 

 

 

A confiança a mais de Sérgio Pérez.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45

Hamilton vence com ultrapassagem a quatro voltas do final

por Tiago Crispim, em 17.04.11

Antes de contar o que aconteceu nesta corrida, gostava só de explicar que este foi o melhor Grande Prémio da China e a melhor corrida desta temporada até agora. E nem foi preciso chover!

 

Hamilton venceu a corrida com uma ultrapassagem a quatro voltas do final. O McLaren do inglês teve problemas antes de começar a corrida e chegou a ser assistido nas boxes antes da partida, mas felizmente para Hamilton conseguiu resolver-se tudo antes do início da prova.

 

Ainda assim a figura da corrida foi Mark Webber, que partiu de 18º e acabou em terceiro, numa demonstração aos críticos que não está (de todo) acabado. Atrás ficou Jenson Button.

 

 

Lewis Hamilton e Jenson Button arrancaram melhor e ficaram à frente de Sebastian Vettel, o detentor da pole positon. foi logo aí que começou o "Weber show". Rapidamente o australiano saltou para o 15º lugar. Com três paragens pelo meio conseguiu terminar em terceiro a sete segundos de Hamilton.

 

Aliás, menos de sete segundos separavam os cinco primeiros a pouco mais de dez voltas do fim da prova.

 

As mudanças de posição foram uma constante, neste GP em que só tivemos uma desistência. Foi Jaime Alguersuari, que depois de ter saido das boxes perdeu literalmente uma roda, que saltou fora do carro.

 

Qualquer descrição que possa aqui fazer não faz jus à emoção verdadeira. Dizer que os Ferrari ficaram em sexto e sétimo não é justo para ambos os pilotos Felipe Massa e Fernando Alonso, que lutaram bastante pelas posições e infelizmente sofreram com a degradação dos pneus no final da prova.

 

A Mercedes fez a melhor corrida até agora. Não só Nico Rosberg liderou a prova durante muitas voltas como Michael Schumacher conseguiu defender-se dos ataques de Alonso. Mas Nico Rosberg teve algum azar no final. O seu engenheiro disse-lhe pelo rádio que o consumo de combustível era “crítico”. O alemão levantou o pé e Hamilton passou-o com facilidade. Perdeu mais duas posições umas voltas mais tarde, por ter travado demasiado tarde e alargado a trajectória numa curva. Terminou em quinto, Schumacher em oitavo.

 

A Renault esteve um bocadinho menos bem, Vitaly Petrov foi nono, Nick Heidfeld 12º. A Sauber continua a dar luta, tanto Kamui Kobayashi como Sérgio Pérez são pilotos agressivos e é garantido que estão envolvidos na acção. O japonês foi décimo e o mexicano 17º, depois de ter colidido com Adrian Sutil e sofre um "drive through penalty".

 

Paul Di Resta continua a mostrar-se um excelente piloto. Levou o seu Force India ao 11º lugar. O seu companheiro de equipa, que teve o tal incidente com Pérez, ficou em 15º.

 

Rubens Barrichello terminou em 13º no seu Williams, o Toro Rosso de Sebastian Buemi acabou em 14º.

 

A Lotus (verde e amarela) deve estar a festejar ainda. Heikki Kovalainen terminou na 16ª posição, já no meio do pelotão. A equipa de Tony Fernandes estava já a aproximar-se das equipas do meio e a afastar-se das outras que se estrearam no ano passado, mas agora o finlandês ficou à frente de Pérez, Pastor Maldonado, do companheiro Jarno Trulli, de Jérôme D'Ambrosio, Timo Glock, Vitantonio Liuzzi e Narain Karthikeyan. Os dois HRT terminaram a primeira corrida de 2011

 

Dia oito de Maio é o GP da Turquia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:04


Onde é que veio parar?

O Volta Mais Rápida é um blog sobre F1. O autor é um curioso, apaixonado pela Fórmula Um desde que se lembra, embora a sua carreira ao volante se fique pelos karts e pela Playstation. Trabalhou em alguns meios de comunicação como jornalista e hoje é técnico de rádio na Universidade Autónoma de Lisboa. Neste espaço quer dar a conhecer melhor o universo deste desporto e talvez despertar a atenção e a curiosidade de alguns interessados.



Contactos


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

subscrever feeds